Ajudar um cão assustado

O seu cão é muito curioso e divertido, mas pode ficar assustado com algumas situações. Afinal de contas, cada cão tem a sua personalidade. Alguns são assustadiços por natureza e têm maior tendência para se assustarem do que outros.
Ajudar um cão com medo
Ajudar um cão com medo
Ajudar um cão com medo

O seu cão sente-se, normalmente, mais seguro quando está consigo, mas tal como qualquer outro animal, os cães podem ficar cautelosos em relação a algo que lhes pareça uma ameaça, mesmo que para si esteja tudo bem. Nestas situações, eles podem responder com uma reação “ataca ou foge”, o que significa que irão tentar assustar a ameaça e afastá-la ou fugir dela. O instinto “ataca ou foge” é natural, mas por vezes pode provocar uma reação exagerada por parte dos cães. Não consegue estar sempre presente para ajudar o seu cão assustado a sentir-se seguro e feliz, pelo que é importante que o ajuda a desenvolver confiança e independência emocional. Veja as nossas dicas para o ajudar a lidar com os medos e ansiedades mais comuns, para que possa colocar o seu companheiro de quatro patas no caminho para a felicidade.

Os sinais de medo nos cães, tipicamente, incluem:

  • Abrandar o passo
    • Ficar ofegante
      • Tentar esconder-se
        • Falta de apetite
          • Estar demasiado distraído para que consiga captar a sua atenção
            • Salivar
              • Bocejar
                • Estar inquieto
                  • Em casos extremos, incontinência
                  • Se notar algum destes sinais em resposta a certos estímulos, o seu cão ou cachorro poderá estar com medo. Se pensa ser este o caso, entre em contato com o seu veterinário para obter mais ajuda.

Medos e fobias dos cães: fogos de artifício e outros ruídos altos

É muito comum nos cães o medo de fogos de artifício ou de outros ruídos elevados, até porque são, normalmente, esporádicos, muito altos e inesperados! Enquanto sabemos que os fogos de artifício não apresentam perigo, os efeitos do medo podem ser devastadores para alguns cães. Se não foram tratados de imediato, podem escalar para uma fobia de barulhos elevados ou de flashes brilhantes e, no pior dos casos, o medo de tudo aquilo que o seu cão associe ao fogo de artifício, como por exemplo o entardecer.

Medos e fobias de cães: Medo de ficar sozinho

Como já deve ter reparado, os cães são criaturas sociáveis e é, por isso, que o seu adora passar tempo consigo. No entanto, há cães que ficam infelizes quando ficam sozinhos e alguns desses cães podem até ficar muito nervosos, quando ficam sozinhos em casa. A causa mais comum deste stress é nunca terem aprendido a ficar por conta própria, juntamente com uma dependência exagerada da sua presença. Deve empenhar-se para evitar o medo provocado por problemas relacionados com a separação, habituando-o a ser independente quando é mais novo. Dessa forma, será totalmente normal para ele. O seu cão pode vaguear, latir, uivar ou ladrar sem parar, ficar incontinente, roer móveis, raspar freneticamente nas portas num esforço para sair de casa e até mesmo mutilar-se. Estes problemas relacionados com a separação são graves e devem ser tratados de imediato por um especialista de comportamento e pelo seu veterinário.
cão com medo de ficar sozinho
cão no jardim

Tratamento para problemas relacionados com a separação

  • Se o seu veterinário aconselhar a consulta de um especialista em comportamento, ele irá investigar cuidadosamente os problemas de separação do seu cão e poderá até utilizar uma câmara para filmar a forma como o seu cão se comporta, quando fica sozinho.
    • A raíz do problema poderá ser simplesmente aborrecimento (o que é comum em cães jovens e ativos) ou talvez o seu cão esteja a ficar demasiado tempo sozinho ou não esteja a ser suficientemente estimulado, quando está acompanhado. Um grande passeio (consigo ou com um dog-walker) poderá ajudar nestes casos, uma vez que o seu cão estará ocupado a divertir-se e estará esgotado na hora de ficar sozinho. Ou talvez tenha ocorrido um evento traumático na sua ausência, tal como uma trovoada ou um fogo de artifício, e o seu cão tenha ficado, a partir desse momento, muito assustado de ficar sozinho.
      • Felizmente muitos casos respondem bem ao tratamento, mas quanto mais cedo procurar ajuda, melhor se sentirá o seu cão quando ficar sozinho.

Habituar o seu cachorro a ficar sozinho

  • Apesar de ser tentador passar o máximo tempo possível com o seu adorável cachorro ou cão adulto, é importante que ele tenha algum tempo sem estar consigo.
    • Duas a três vezes por dia (ou mais se tiver um cachorro muito jovem, que precisa de fazer várias sestas), coloque-o na sua cama, casota ou canil durante cerca de meia hora. Recompense-o por ficar e deixe-o sozinho. Desta forma, ele irá habituar-se a ocupar o seu tempo sozinho.

Habituar o seu cão adulto a ficar sozinho

  • Pode habituar o seu cão adulto a ficar sozinho, utilizando barreiras protetoras de escadas, que não só impedirão que o seu cão caia como também o manterão afastado de si.
    • Mantê-lo sozinho de um lado da barreira protetora (ou cerca) por períodos curtos, mas frequentes, ao longo do dia, irá ajudá-lo a habituar-se a estar fisicamente afastado de si, enquanto mantém a segurança de ver que está por perto.

Cães que procuram atenção

Sabe que o seu cão adora receber a sua atenção, mas se tem um cão particularmente dependente da sua atenção, tente não demonstrar muita excitação, sempre que ele pede. Dê-lhe muita atenção, mas não quando ele lhe estiver a pedir!

Ao início, pode ser difícil, porque eles têm tendência para redobrar os esforços por atenção e mostrar-lhe os seus olhinhos de cachorro, mas tente ser persistente e evite manter contacto visual, até ele acalmar.

Habituar o seu cão a vê-lo ir embora

Muitas vezes, ajuda ter um sinal claro quando não está disponível para contacto. Por exemplo, colocar um grande objeto em cima da mesa e depois sair da divisão ou ignorar todos os esforços do seu cão para chamar a atenção, serão rapidamente associados à presença daquele objeto. Se for consistente, ele desistirá de tentar. Mal retire o objeto de cima da mesa, faça-lhe festas e permita-lhe iniciar qualquer contacto que ele goste.

Quando o seu cão aprender isto, pode colocar o objeto em cima da mesa 10-15 minutos antes de sair de casa. Desta forma, ele ficará calmamente distraído com outro comportamento qualquer, na hora que sair de casa.

Deve também eliminar quaisquer rituais de saída de casa. O seu cão é esperto e sabe com bastante antecedência que vai sair de casa, o que pode gerar ansiedade no momento de pegar nas chaves, fechar todas as janelas e vestir o casaco. Tente fazer tudo isto, mas depois continue com aquilo que estava a fazer antes de se preparar para sair. Vista o casaco dez minutos antes, enquanto está, por exemplo, a aspirar; ou, para começar, saia pela porta da frente e entre novamente pela porta das traseiras para que o seu cão só fique sozinho, durante alguns segundos.

Barulho em casa

Mantenha todas as saídas de casa discretas. Tente manter o mesmo nível de ruído em casa. Passar de todo o barulho e agitação da vida em família para um silêncio profundo, indica ao seu cão que ele está por sua conta, o que pode deixá-lo nervoso. Deixe o rádio ou a televisão ligados ou grave até um dia normal em família e deixe esse som a tocar, quando deixar o seu cão sozinho.

Outras dicas

  • Um difusor de feromonas apelativas para os cães pode também ajudar a acalmar o seu cão. Há também opções em spray e em coleira. Peça ao seu veterinário mais informação.

    • Antes de deixar o seu cão sozinho, garanta que todas as suas necessidades foram satisfeitas para que ele se sinta confortável. Assegure-se que ele comeu, fez exercício e foi à rua para que haja uma maior probabilidade de ele dormir uma bela soneca, enquanto estiver sozinho!

Porque é que o meu cão tem medo de outros animais e pessoas?

cão com medo
Se o seu cão tem medo de outros cães ou até de outras pessoas, pode ser o resultado de falta de socialização em cachorro ou de experiências negativas com outros cães e pessoas, no passado. À vezes, os cães podem aprender a responder erradamente perante algo que os assuste, o que ainda agrava o problema. Como melhor amigo e companheiro de confiança do seu cão, ele quer aprender consigo, mas dar inadvertidamente passos errados pode aumentar o medo do seu cão. Por exemplo, se o seu cão rosna quando é abordado por uma criança, pode ser porque não está habituado a elas. Ao rosnar, ele está a comunicar a sua apreensão natural. Ouvir o seu cão e afastá-lo da situação, poderá ser o melhor primeiro passo. Obrigar o seu cão a aproximar-se da criança ou deixar a criança mexer-lhe muito, apesar de parecer lógico, pode não resultar. Na próxima vez que o seu cão vir uma criança, poderá rosnar mais cedo e de forma mais assustadora porque para ele a criança é claramente uma fonte de problemas. Forçar repetidamente esta situação, poderá levar a que ele queira morder para se proteger. Em vez disso, quando afastar o seu cão, deve pensar em ajudá-lo a ver a criança como uma coisa boa. Claro que o seu cão poderá não ter apenas medo de crianças; poderá ter medo de qualquer coisa, desde gatos a cortadores de relva! Mas em cada caso, existem formas de ajudar o seu cão a ser menos medroso.

Como funciona a dessensibilização?

Dessensibilizar significa expor, gradualmente, o seu cão áquilo que o assusta. O medo nos cães reduz, quando eles veem o estímulo assustador à distância, onde não é uma ameaça, e depois, aos poucos e de forma lenta e constante, este se vai aproximando.

Gradualmente, com exposição repetida com o apoio de um especialista em comportamento, o seu cão ansioso passará a estar bastante habituado ao objeto ou situação, que antes o aterrorizava! Na situação ideal, eles passam a ignorá-lo ou voltam-se para si à espera da oportunidade de terem um comportamento recompensador, como morder ou perseguir um brinquedo. Isto é muito diferente de o dono consolar ou tentar recompensar o cão num estado de medo. É muito mais divertido brincar com uma bola do que ter que rosnar a alguém!

O tratamento pode ser prolongado, por exemplo com cães que têm medo de outros cães para os ajudar a perceber como é divertido ter companheiros de brincadeira. Mas, claro que isto terá que ocorrer num ambiente cuidadosamente controlado.

Porque é importante para o meu cão ultrapassar o seu medo por animais e outras pessoas?

  • Se a resposta de medo do seu cão não for controlada, ou se for inadvertidamente reforçada pela sua atenção no momento errado, pode escalar rapidamente até se tornar profundamente enraizada. Pode também provocar problemas de agressividade se o seu cão sentir que não pode evitar o objeto de medo, não tendo outra opção que não seja lutar para se proteger.
    • Se a agressão defensiva se tornar a estratégia preferida para qualquer cão aliviar o seu medo, podem também surgir implicações legais e sociais para o dono do cão. Mesmo que não seja assim tão grave, o seu cão pode ficar muito infeliz e nervoso uma grande parte do tempo, o que é desagradável tanto para si como para ele.
      • O aspeto mais importante a considerar em cada situação em que o cão tem medo de crianças, adultos ou outros cães é a segurança. É importante procurar aconselhamento profissional do seu veterinário ao primeiro sinal de ansiedade ou medo perante situações “normais”, quer seja em casa ou na rua. Desta forma, conseguir mais rapidamente que o seu cão se sinta confiante, feliz e bem comportado, e juntos poderão divertir-se muito!

Prevenir medos e fobias em cachorros

  • Uma socialização boa e atempada a uma grande variedade de sons preparará o seu cachorro para quaisquer ruídos elevados que ele possa ouvir, ao longo da vida, o que o ajudará a tornar-se um cão menos ansioso. Treinar o seu cão para permanecer tranquilo, quando exposto a barulhos altos, não tem que ser difícil! Se o cachorro tiver sido criado no canicultor numa casa agitada, exposto a todos os sons que fazem parte do dia-a-dia familiar (panelas a serem manuseadas, máquinas de lavar, música alta, brincadeiras ou conversas animadas, entre outros), então é mais provável que o cachorro se torne um cão adulto tolerante ao ruído, em qualquer ambiente.
    • Da mesma forma, ele vai sentir-se bem no ambiente exterior, se em cachorro jovem tiver sido exposto e sons de aviões, trovoadas ou buzinas de automóveis, por exemplo, agindo em resposta a uma atitude tranquila e não reativa do seu dono.
      • Se a primeira exposição do seu cachorro a estes sons provocar muito medo e a sua ansiedade inicial for reforçada por excesso de atenção da sua parte, ele pode facilmente aprender a ser medroso em relação a esses sons. A resposta é simplesmente, manter-se tranquilo.
        • Por regra, os cachorros conseguem habituar-se a quase tudo, mas aprendem em fazê-lo lendo os sinais no comportamento das pessoas e outros animais à sua volta. Mantenha-se sempre calmo e não faça grande alarido, perante novos sons ou ruídos altos. Se o problema persistir, fale com o seu veterinário sobre possíveis soluções, tais como terapia comportamental.
          • A informação contida neste artigo não substitui aconselhamento individual do seu veterinário ou treinador. Deve sempre consultar um médico veterinário se tiver alguma preocupação com a saúde do seu animal de companhia. O veterinário é o profissional habilitado para desenvolver o historial clínico completo do seu cão e para o examinar sempre que necessário, de forma a recomendar o tratamento ou terapia mais adequados. Para aconselhamento comportamental detalhado e personalizado para o seu cão, recomendamos que consulte um treinador qualificado ou um especialista em comportamento. Tenha em atenção que, enquanto que os treinadores podem ser abordados diretamente por si, por norma os especialistas de comportamento exigem que o seu cão venha referenciado pelo médico veterinário.