Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Your Pet, Our Passion.
Gato cinzento a saltar de um armário.

Os gatos caem sempre de pé

5 min de leitura

Já todos ouvimos o ditado 'os gatos caem sempre de pé', mas será que há alguma verdade nisso? Continue a ler para descobrir.

Já todos ouvimos o ditado 'os gatos caem sempre de pé', e que essa habilidade significa que eles podem sobreviver a quedas de alturas incríveis. Algumas pessoas pensam que se deve ao incrível equilíbrio dos gatos, enquanto outras acreditam que só pode ser magia. É um fenómeno que seguramente confundiu os cientistas durante séculos!

Mas é verdade ou será simplesmente um mito urbano?  Continue a ler para descobrir se os gatos caem sempre de pé e como é que o fazem.

 

Os gatos caem sempre de pé?

Os gatos têm um sistema de equilíbrio embutido chamado de “reflexo de endireitamento”, que permite que eles se endireitem e caiam de pé. Mas, embora os gatos consigam geralmente pousar com a parte certa para cima, não é verdade que eles caiam sempre em pé. A altura da queda pode afetar a sua capacidade de pousar com segurança.

Durante muito tempo, a capacidade dos gatos de, aparentemente, caírem sempre de pé, deixou os cientistas perplexos desde o início do século XIX. Inicialmente, pensava-se que, quando os gatos caíam, de alguma maneira eles conseguiam 'empurrar' as mão da pessoa.

No entanto, em 1894, um cientista francês chamado Etienne-Jules Marey descobriu que esse não era o caso. Ao usar uma câmera cronofotográfica, ele conseguiu capturar 60 imagens por segundo da queda de um gato, foi então que ele foi capaz de ver em câmera lenta e perceber como é que os gatos caem de pé.

 

Como é que os gatos caem sempre de pé?

À forma como os gatos conseguem pousar de pé é chamada de reflexo de endireitamento.

Gato a olhar para baixo de uma borda alta.

Eles conseguem virar-se da forma correta durante a queda para pousarem com segurança de pé. O aparelho vestibular dentro da orelha de um gato é usado para o equilíbrio e a orientação e isto permite que os gatos descubram rapidamente para que lado é para cima e que rodem a cabeça instantaneamente para que o corpo possa seguir.

Os gatos também têm estruturas esqueléticas incrivelmente únicas: eles não têm clavícula e têm uma coluna vertebral muito flexível com 30 vértebras. Esta coluna flexível significa que eles conseguem corrigir a sua posição com facilidade e rapidez durante uma queda. As suas costas arqueiam, os pés vão por baixo do corpo e trazem as patas dianteiras para perto do rosto o para proteger. A sua baixa correlação entre corpo e o peso também ajuda com que os gatos aterrem em pé, pois consegue reduzir a sua velocidade a que caem.

Os gatos desenvolvem o reflexo de endireitamento muito cedo e é visto pela primeira vez em gatinhos com 3 semanas de idade, e às 7 semanas já está totalmente desenvolvido.

 

Como é que a altura da queda afeta a forma como caem?

A altura da queda tem um grande papel para saber se o gatos vai cair de pé. Um estudo feito em 1987 pelo Animal Medical Center da cidade de Nova Iorque analisou registos veterinários de gatos que caíram de prédios de vários andares e encontrou algumas estatísticas incríveis. A maioria deles caiu no cimento, mas 90% de todos os gatos avaliados sobreviveram à queda, e apenas 37% deles necessitaram de cuidados de emergência.

Mas foi a altura da queda que mais teve impacto no resultado. Gatos que caíram entre 7 e 32 andares sofreram menos ferimentos, enquanto aqueles que caíram entre 2 e 6 andares sofreram mais lesões. Surpreendentemente, o gato que caiu 32 andares e aterrou no cimento teve alta após 48 horas apenas com um dente lascado e uma pequena punção no pulmão.

Os cientistas acreditam que quanto maior a queda, mais tempo os gatos têm para se endireitarem. Também se acredita que eles atinjam uma velocidade máxima de cerca de 100 km/h, o que é muito mais lento do que os humanos a cerca de 190kmh. Assim que atingem essa fase, começam a relaxar e a esticar as pernas - de modo muito semelhante ao que faz um esquilo voador - o que aumenta o tamanho do corpo e cria resistência ao ar. É quase como se os gatos se pudessem transformar em pequenos paraquedas, o que aumenta a resistência de arraste!

Está tudo nas pernas

Gato nas patas traseiras prestes a pular.

A capacidade dos gatos de caírem em pé e sobreviver a grandes quedas também é afetada pelo fato deles passarem muito tempo nas árvores e a escalarem coisas. Portanto, é provável que caiam a certa altura, por isso eles adaptaram-se para ter o mínimo de dados como resultado de uma queda. 

Onde as suas pernas podem parecer longas e delgadas, elas são na verdade muito musculosas e trabalham para reduzir o impacto e atuam como amortecedores quando pousam. As suas pernas anguladas não são feitas apenas para pular e alcançar grandes alturas, mas também reduzem o impacto para que a força não os atinja diretamente.

Apesar de os gatos têm a capacidade de se endireitar, continua a ser importante garantir que o seu gato não caia de certas alturas. Gatos com excesso de peso têm muito menos probabilidades de cair de pé, pois isso diminui a sua capacidade de se endireitar no ar. Se mora em um prédio de apartamentos ou num prédio alto, é uma boa ideia manter as janelas fechadas ou, se precisar de as manter abertas, instale proteções para evitar que o seu gato caia. Se o seu gato sofreu uma queda, leve-o ao veterinário imediatamente, pois ele pode estar com graves lesões internas que não consegue ver.

Saiba mais sobre o comportamento do seu gato com os nossos guias práticos. Ou se quiser descobrir se algum dos outros mitos sobre gatos é verdadeiro, tentamos dissipar alguns dos mitos e equívocos mais comuns sobre gatos no nosso artigo. Continue para ver.