Apresentar o seu gato aos outros animais de companhia da família

gatinho de pelo às riscas a andar

Apresentar o seu gato aos outros animais de companhia da família

gatinho de pelo às riscas a andar

Apresentar o seu gato aos outros animais de companhia da família

gatinho de pelo às riscas a andar
September 13, 2018

Apresentar o seu gato aos outros animais de companhia da família

Antes de assumir o compromisso de receber um novo gato ou gatinho em casa, é importante considerar a melhor forma de o apresentar aos outros animais de companhia da família. Isso irá ajudar a aliviar os níveis de stress do recém-chegado e dos membros mais estabelecidos da família.

Se já tem um gato residente em casa, regra geral não é uma boa ideia juntar um novo felino. Os gatos são animais solitários e adaptam-se muito melhor se viverem num lar onde sejam o único felino.

É muito provável que a chegada de um novo elemento provoque stress a ambos os animais, manifestando-se pela emergência de problemas comportamentais num ou em ambos os gatos. Pode acontecer que um tente dominar o outro o que, para além do stress emocional causado pela disputa de poder, pode resultar também em lutas e ferimentos.

Para além do mais, o gato mais assustadiço pode começar a urinar e a fazer as suas necessidades fora da caixa de areia e em outros locais inaceitáveis. Podem também ocorrer problemas associados à alimentação, sendo que o gato dominante pode desenvolver obesidade e o gato dominado pode sofrer de subnutrição.

Caso deseje mais do que um gato a viver consigo, tenha em conta as suas necessidades e encontre maneira de as suprir da melhor forma possível. De um modo geral, quando os gatos têm idade semelhante ou quando são relacionados por sangue (da mesma ninhada, pais ou crias), adaptam-se melhor à vida em conjunto a longo prazo.

 

Apresentar gatinhos a gatos

Existem diversos métodos comprovados que podem ajudar a mitigar potenciais problemas comportamentais resultantes da interação inicial entre dois gatos.

  • Assegure que fornece espaço pessoal suficiente para cada gato. Tal significa ter uma caixa de areia para cada gato e uma outra suplente.
  • Bebedouros e comedouros individuais para cada gato.
  • Locais de refúgio separados, para onde cada gato possa fugir e sentir-se em segurança.
  • Encontram-se igualmente disponíveis em médico veterinários preparados de feromonas sintéticas que podem ajudar a criar um ambiente tranquilo e relaxante para os gatos, particularmente durante períodos de stress, como por exemplo, aquando da mudança para uma nova casa ou da adaptação a um novo elemento.

Quando finalmente se dá o primeiro encontro entre dois gatos, ou entre um gato adulto e um gatinho, este deve ser lento e gradual. Dê espaço e liberdade suficientes para que ambos os gatos se conheçam em segurança. Pode usar uma caixa de transporte ou uma jaula onde o recém-chegado esteja seguro e fora do alcance do outro animal. Em simultâneo, o gato residente pode investigar a presença do outro ao seu ritmo e, se assim o desejar, refugiar-se no seu próprio espaço quando quiser.

Planeie estes episódios de apresentação de forma gradual, contudo, tenha consciência de que se trata de um processo de habituação que pode oscilar entre poucos dias e alguns meses, até que ambos os gatos aprendam a viver em conjunto. Permaneça vigilante e atento a quaisquer sinais de problemas comportamentais emergentes.

 

gatinho de pelo às riscas a alongar
gatinho de pelo às riscas a cheirar a comida húmida para gato PRO PLAN

Apresentar gatinhos a cães

Apresentar um gato ou gatinho a um cão residente pode parecer menos stressante do que tratando-se de dois gatos, no entanto, não é uma situação isenta de riscos. Enquanto animais de matilha, os cães são mais recetivos a recém-chegados, contudo, podem também ser suscetíveis ao medo do desconhecido e revelar agressividade. É crucial ter os mesmos cuidados que teria caso se tratasse de dois gatos e permitir encontros lentos e graduais com um dos animais em segurança numa caixa de transporte.

Por fim, lembre-se de supervisionar cada encontro ocorrido entre animais que não estejam familiarizados um com o outro. É importante continuar com esse procedimento até ser claro que os animais se acostumaram um ao outro. Tal pode ser comprovado se não rosnarem nem se assanharem, não fugirem nem se esconderem e, principalmente, se começarem a dormir perto um do outro, se brincarem juntos, etc.

Caso se sinta preocupado no decorrer deste processo, é conveniente aconselhar-se com o médico veterinário ou com um especialista de comportamento animal.

 

Partilhe com pessoas que conhece

EmailLinkedInFB