Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Your Pet, Our Passion.
Cão de Crista Chinês

Principais características da raça de cães Cão de Crista Chinês

Há duas versões diferentes do Cão de Crista Chinês: o Nu (com tufos de pelo na cabeça, patas e cauda), e o Powderpuff que tem uma pelagem dupla – com um pelo longo e macio. A estatura de ambas as versões também difere: um com uma estrutura óssea fina e uma aparência mais delicada e o outro é dotado de uma estrutura mais pesada e compacta. A altura ideal para os machos adultos é 28-33 cm e para as fêmeas 23-30 cm. Em adultos, não devem exceder os 5,4 kg. A pelagem surge em várias cores e combinações.

O que necessita saber
  • Cão adequando para donos com alguma experiência
  • Necessário algum treino
  • Gosta de passeios tranquilos
  • Gosta de dar passeios de uma hora por dia
  • Cão Pequeno
  • Cão que se baba pouco
  • Requer tratamento do pelo dia sim dia não
  • Raça hipoalergénica
  • Cão conversador e vocal
  • Cão de guarda. Ladra e alerta para situações de perigo
  • Cão perfeito para viver com outros animais
  • Pode precisar de treino antes de viver com crianças

Características

Esperança Média de Vida: 13 – 15 anos
Peso em Adulto: 2 – 5kg 
Altura: 23 – 33cm 
Cores: Qualquer cor ou combinação de cores é aceita
Porte: Pequeno

Avaliação

Adequado para Famílias: 4/5
Necessidade de Exercício: 2/5
Fácil de Treinar: 4/5
Tolerância para ficar sozinho: 1/5
Sociável com outros animais: 4/5
Nível de Energia: 2/5
Escovagem e Higiene: 2/5
Queda de Pelo: 2/5
Cão de crista chinês sentado ao ar livre

Personalidade

Uma raça feliz, amigável, bem humorada, o Cão de Crista Chinês é um animal de estimação adorável que prospera em companhia humana e detesta ficar sozinho por longos períodos de tempo. Tem uma natureza brincalhona e os seus momentos prediletos é estar no colo dos seus donos.

Cão de crista chinês a correr ao ar livre

História e Origem

A sua origem é controversa, mas presume-se que esta raça foi desenvolvida a partir de cães nus oriundos da África, sendo depois cruzados com raças miniatura pelos chineses para criar um cão de companhia pequeno e desprovido de pelo, que, segundo o que dizem, pertenciam à dinastia real Han e utilizados para guardarem tesouros. Estes cães foram recrutados também como cães de guarda. Os marinheiros chineses eram aconselhados a levar os cães no barco para controlar as populações de ratos nos navios. Os exploradores encontraram exemplares desta raça no México e noutras partes da América Central e do Sul no século XVI.